• daquiloquesecome

Jirau



Antônio se estremeceu. Mas o bicho não queria comer ele, não. (...) O jacaré

abriu a boca, os olhos em cima dele. Daí a dar um grito.. mas Antônio nem gritou, só disse: vai-te, bicho. O jacaré até que se assustou, mergulhou na lama, foi-se siririringando, ficaram aquelas borbulhas,

este e aquele remoinho do rabo dele, aquele meximento de água que se

distrai com os bichos, o movimento deles, por exemplo. Os peixes mais miúdos... Mas ah, depois viu foi o couro do jacaré secando no jirau. (1) Dalcídio Jurandir faz uso da palavra Jirau em seu livro Belém do Grão-Pará para composição da sua narrativa. Mas, você sabe o quê é um jirau?


O Jirau é parte importante das casas em muitos interiores da Amazônia.

A partir de hoje vamos conhecer um pouquinho mais sobre a composição material das casas e do cotidiano referente a cozinha e seus utensílios de parte da população da Amazônia. Segundo Raymundo Sobral o Jirau é: "Espécie de estrado de madeira que serve para agasalhar utensílios domésticos". (2) Nesse sentido, Vicente Chermont de Miranda completa nosso entendimento quando nos diz também que:" ¥ Casa de jirau: a que edificada no alagadiço é assoalhada. ¥ Soalho móvel sob a tolda das vigilendas, que a divide em dois compartimentos: o inferior reservado à carga e o superior para abrigo dos tripulantes. Êste jirau é usualmente de juçara ". (3)

O jirau também é local onde se lava a louça e a deixa secando após seu uso.

Segundo Raimundo Morais o Jirau é um: "Estrado erguido sobre achas entre o teto e o solo para guardar mantimentos nas dispensas. Palanque usado ao ar livre nas ilhas, onde a terra alaga, como pequenas hortas e jardins aéreos".(4)

.

.

.

💬 E você conhece ou já tinha ouvido falar do Jirau?

.

.

.

📚✍🏽 Referências.

(1)Dalcídio Jurandir, Belém do Grão Pará,

Livraria Martins: São Paulo, 1960. p. 151.

(2) Raymundo Mário Sobral. Dicionário Papachibé, vol 5, 1° ed. Belém: Gráfica e Fotolitos, Centro Gráfico Santo Antônio, p. 153. p. 151.(3) MIRANDA, Miranda, Vicente Chermont de. Glossário Paraense [ Coleção de Vocábulos Peculiares à Amazônia e Especialmente à Ilha do Marajó]. Universidade Federal do Pará, 1968. p. 45. (4) Morais, Raimundo. O meu dicionário de cousas da Amazônia. Brasília: Senado Federal, Conselho Editorial, 2013, p. 109.

1 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo