• daquiloquesecome

Queijo Egípcio de 3.200 anos...


Sabe aquele queijo que tanto nós gostamos de comer? Hoje com tantas variedades, o queijo permite um estudo à parte. Mas, você sabia que o queijo era alimento comum para povos do mundo antigo? E que numa tumba no Egito, foi encontrado um dos queijos mais antigos? Um queijo de mais de 3.200 anos? O queijo é tão antigo quando as pirâmides do Egito! Um dos produtos mais consumidos que é derivado do leite: o queijo tem consumo mundial. Bem, como falava no texto de ontem, para preservar o leite, que era muito perecível, os povos antigos produziam queijo, coalhadas e manteigas.


O queijo tinha tanta importância que eles eram enterrados com membros da nobreza real no Egito Antigo. E foi assim que descobriram numa tumba egípcia, um queijo. Segundo nos conta Niraj Chokshi, "Anos atrás, ao remover a areia de um antigo túmulo egípcio, arqueólogos encontram alguns potes quebrados. Em um deles havia uma misteriosa substância branca que intrigou a equipe. Um estudo recente publicado (...) esclarece o mistério: a substância branca é um pedaço de queijo feito aproximadamente há 3.200 anos - um dos mais antigos exemplares sólidos já descobertos". (1) E ainda, "A tumba em questão é a de Ptahmes, funcionário egípcio de alto escalão do século 13 a.C, prefeito da antiga cidade de Mênfis". (2) O queijo em questão, segundo as análises, era queijo branco de cabras, teria semelhança ao queijo francês chèvre.


Queijos fabricados com leite de cabra deveria ser um dos mais consumidos, já que como nos aponta Edda Bresciani, " a partir do leite dos animais que criavam (bovinos, ovinos, caprinos) eles faziam manteiga e queijos". (3) O estudo do qual Niraj faz referência é artigo publicado a partir dos resultados das análises feitas pelo professor Enrico Greco e equipe, nos permitem entender que "O material analisado neste estudo é provavelmente o mais antigo resíduo sólido de queijo arqueológico já encontrado". Assim, segundo os analistas: "Nossa caracterização proteômica biomolecular desta amostra (...) mostra que o material constituinte foi um produto lácteo obtido pela mistura de leite de ovelha / cabra e vaca". (4) O estudo também aponta a presença de brucelose, uma bactéria encontrada neste queijo de 3.200 anos atrás. Ou seja, o queijo não serve para consumo.💭💭🙃 . . . 💬🥛➡️ 🧀 Imaginem o quanto os egípcios, romanos e gregos ainda tem por nos mostrar? E a ciência é tão importante nestes achados. Ela nos revela um mundo tão distante no tempo, mas, também tão próximo de nós! . . . Referências. 📸 Foto: Universidade da Catânia e Universidade do Cairo. (1) (2)27 de agosto de 2018 | 16:29por Niraj Chokshi, The New York Times. Trad.Roberto Muniz. https://paladar.estadao.com.br/noticias/comida,queijo-de-3200-anos-e-encontrado-em-tumba-egipcia,70002475538 acessado em 21 de maio. 🔖Qualquer óbice em relação a imagem por favor nos avisar. (3) Edda Bresciani. Alimentos e bebidas do Antigo Egito. In: p. 74. (4) Enrico Greco*, Ola El-Aguizy, Mona Fouad Ali, Salvatore Foti, Vincenzo Cunsolo, Rosaria Saletti e Enrico Ciliberto Análises proteômicas em um antigo queijo egípcio e evidências biomoleculares de brucelose. Anal. Chem. 2018 , 90 , 16 , 9673-9676, Data de publicação : 25 de julho de 2018, https://doi.org/10.1021/acs.analchem.8b02535 ✍🏽 Anota mais uma referência sobre o assunto: J.G. Wilkinson, The Ancient Egyptians. Their Life and Customs, II, Nova York, 1854.

#foodhistory #history #historiaealimentacao #daquiloquesecome #sidianamacêdo #queijo #cheese



2 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo