• daquiloquesecome

Munguzá, São João e Eneida.

Se Dalcídio é um dos meus literatos preferidos. Eneida de Moraes é a preferida e sempre indicada. Quando você termina de ler Eneida, o sentimento é de plenitude. Então,  trago hoje as memórias de Eneida de Moraes para falar de São João, do mês junino e das festas que fazem parte da cidade morena, Santa Maria de Belém do Grão-Pará. 



Eneida em Aruanda,  nos conta que "São João  é personagem de minha infância; de São João sou velha e dedicada amiga. Aprendi a amá-lo muito cedo(...) em minha terra,  na longínqua e amada cidade de Santa Maria de Belém do Grão-Pará, há uma prática extremamente bela e perfumada, que se chama o banho de cheiro ou banho da felicidade". É assim, "nas vésperas de São João,  a cidade amanhecia festiva, com correria de homens carregando à cabeça tabuleiros cheios das ervas da felicidade. Seus pregões embalavam as mangueiras que arborizavam as praças e ruas da Belém de meu tempo. ___ Cheiro cheiroso! (a pronúncia local: chêro chêiroso)". Eneida lembra que:  "Tínhamos o direito de, naquela noite - rara noite - dormir mais tarde, porque no dia de São João nascera meu pai e, à meia noite, mesmo que ela estivesse coberta de cristais,  no quintal corria, em cuias pretas o munguzá".(1) O munguzá é um prato da cozinha africana. A palavra Munguzá,  por exemplo, vêm do Quimbundo Mukunza, que quer dizer milho cozido, é elaborado com Grão- de-milho, caldo açucarado e com  leite de coco e canela. (2) Além do Munguzá, Eneida lembra das "castanhas pulando quentes do meio do fogo". Comidas de festa junina no Pará,  uma festa que envolvia cheiro, sabores, balões, "(...) Ramos de jasmim e os Boi-Bumbá vindo a porta de nossa casa pedindo licença pra entrar. Quantas bandeirinhas de papel cor! Que mundo de lanternas japonesas!".(3) O mundo da alimentação junino no Pará é um dos mais bonitos deste Brasil.

.

.

.

💬🎉🎉E você não se esqueça do seu banho de cheiro e da deliciosa cuia preta de munguzá!

.

.

.

📚✍🏽 Referências.

📸 Danças. Leandro Tocantins. Santa Maria de Belém do Grão-Pará instantes e evocações da cidade. 3 ed. Editora Itatiaia Limitada. Belo Horizonte. 1987.

(1)(3) Eneida de Moraes. Aruanda Banho de Cheiro. Lendo o Pará, 1989, p. 68-77.

(2) Salles, Vicente. Vocabulário crioulo:contribuição do negro ao falar regional amazônico. Belém: IAP, 2003.


2 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo